Prescrevendo Conscientização – Ou Meditando com Nossas Doenças Crônicas

Posted By Rafael Reinehr on 18 mar 2019 | 0 comments


Muitas vezes procuramos consolo na negação. Mas ao minimizar ou ignorar problemas de saúde, nós podemos infligir mais danos a nós e aos outros.

A maioria de nós convive com uma doença ou duas – e, muitas vezes, nossas reações a elas minam o autocuidado. É fácil racionalizar por que nãoatender totalmente ao que estamos sentindo quando nos sentimos irritados, sobrecarregados ou tentados a ignorar isso completamente.

Por exemplo, considere o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. TDAH é um distúrbio médico. Sua herança genética é similarmente forte à da altura, sua taxa é parecida em todo o mundo (apesar de como é frequentemente apresentada), e inclui diferenças cerebrais que foram documentadas em múltiplos estudos.

Como acontece com qualquer condição de saúde, lidar bem com TDAH significa chegar a um acordo com toda a gama de efeitos. O TDAH afeta o gerenciamento da vida de uma pessoa, não apenas sua atenção. Pode afetar o desempenho escolar, emoções, relacionamentos, empregos, direção – qualquer coisa que exija “gerenciamento”.

Como se tudo isso não fosse difícil o suficiente, o julgamento externo é alto com o TDAH. As crianças são rotuladas como preguiçosas, desmotivadas ou até ruins por causa de seu comportamento “disruptivo”. Os pais se acostumam a ouvir que eles deveriam, de alguma forma, controlar seus filhos. E os adultos com TDAH lutam incansavelmente para se manterem organizados, prosperarem e navegarem pelos relacionamentos – muitas vezes para a frustração daqueles que os cercam, que não entendem com o que estão lidando. Essas pressões externas podem levar indivíduos com TDAH a se julgarem excessivamente.

Aceitando nossos desafios de saúde, assumimos a responsabilidade de abordar o que podemos a partir de um local de equanimidade, construído através da prática da consciência plena.

O que vem a seguir quando alguém não sabe que eles ou seus filhos têm esse distúrbio desafiador? Ou, em um nível mais sutil, quando alguém não compreende a extensão total do que o TDAH faz? Ninguém pode manipular habilmente seus sintomas antes de aceitar que eles não são comportamentos escolhidos, mas são causados ​​pelo TDAH. Sem consciência e tratamento direcionado, crianças e adultos lutam e sofrem. A neurologia desses pacientes continuamente frustra seus esforços e, eventualmente, sua autoestima – juntamente com a vida social, saúde e bem-estar geral – sofrerá.

Consciência sem julgamento significa aceitar qualquer doença ou desordem – seja em você ou em outra pessoa – pelo que é, incluindo desafios e triunfos. Com o TDAH, é um grande passo para perceber que uma criança que se comporta mal simplesmente não pode (ao contrário de não quer) controlar seus impulsos. Não é pouca coisa para um adulto saber que ele é brilhante e trabalhador, apesar de suas dificuldades em lidar com projetos. O propósito de fazer isso não é dominar nossos desafios para sempre, mas simplesmente ver claramente no dia a dia.

Independentemente dos problemas de saúde que enfrentamos, podemos nos comprometer a deixar de lado toda a bagagem extra que pode aparecer ao longo do tempo. O instinto que culpa ou rejeitar nossas deficiências só atrapalha o progresso. Não precisamos fingir estar sempre confortáveis ​​com nossos desafios de saúde. Mas, aceitando-os de qualquer maneira, assumimos a responsabilidade de abordar o que podemos a partir de um local de equanimidade, construído através da prática da consciência plena.

Meditação ajuda, dando-nos uma oportunidade para nos sentarmos com o desconforto. Muito do que surge na meditação lança luz sobre o desconforto que podemos evitar habitualmente. Você se vê envolvido em medo, desapontamento ou autocrítica? Tudo isso é comum e normal. Podemos nos dar permissão para sentir exatamente o que sentimos, mesmo quando não estamos tão bem com uma situação como gostaríamos de estar.

Fora da prática da meditação, faça o que você precisa para cuidar da sua saúde. Quer se trate de diabetes, ou asma, ou uma deficiência de aprendizagem, vise ver a sua situação com clareza e determinação. Enquanto você se senta em meditação, no entanto, não há nada para consertar ou mudar. É assim que é. Pratique se estabelecer e ver a vida claramente, montando as bases para uma vida mais feliz e saudável.

Encarando o Desconforto

Para permitir que você experimente totalmente essa meditação, recomendamos que você ouça a versão em áudio. No entanto, você também pode simplesmente ler o texto abaixo. Se você optar por faz isso, leia primeiro todo o roteiro para se familiarizar com a prática, depois faça a prática, referindo-se ao roteiro conforme necessário e pausando brevemente após cada parágrafo. Tire cerca de dez a quinze minutos para a prática. Você pode fazer esta prática sentado.

Ouça a Meditação Guiada abaixo:

 

Ou leia o texto a seguir e o pratique:

Sente-se por alguns minutos, concentrando-se na sensação de respirar. Sua mente vai ficar ocupada. Quando um pensamento surgir, observe-o e, então, retorne pacientemente à respiração. Em seguida, pense em algo desconfortável sobre você – nada que você ache enorme ou esmagador. Pode ser uma qualidade da qual você não gosta muito ou deseja não ter.

Observe o que surge e acontece. Pode ser uma sensação de desconforto físico, uma emoção ou um pensamento ansioso. Dê atenção a tudo isso: os fatos, suas reações, as emoções como desapontamento ou frustração, e qualquer outra coisa que apareça. Se a prática se tornar muito desconfortável, cuide-se. Permita-se uma pausa, busque apoio e deixe a prática por enquanto. Volte para o que achar mais apropriado neste momento.

Nos últimos minutos, reserve tempo para a autocompaixão. Em cada inspiração, esteja ciente de que este é um desafio para você agora, e todas as pessoas têm desafios. Em cada expiração, deseje a você a mesma felicidade e bem-estar que você deseja para o seu melhor amigo. Termine com alguns minutos de meditação, simplesmente sentindo sua respiração entrar e sair, observando os pensamentos e deixando-os ir. Defina uma intenção de avançar com aceitação e determinação.

 

Quer meditar em grupo? Venha meditar conosco!

Artigo original de Mark Bertin, em 28 de junho de 2018, na Mindful.org. Traduzido por Liz Ghellere para o Consciência Plena. Meditação guiada em português por Rafael Reinehr. Distribuído livremente em língua portuguesa com caráter informativo e educacional.

❤  Compartilhe sua Paixão por Compaixão

Autocompaixão. Calma. Alegria. Resiliência. Confiança. O mundo precisa de mais disso tudo. E é por isso que produzimos este conteúdo para você, com o objetivo de trazer as melhores práticas, aconselhamentos e insights sobre meditação, mindfulness em busca de uma Consciência Plena do mundo que nos cerca.

Para que possamos seguir em nosso serviço e trazer compaixo e conexão aos corações, casas e comunidades de milhares de nossos leitores, e se voc acha que nosso trabalho tem valor e quer ajudar o mundo a se tornar mais Consciente e Desperto, considere fazer uma doação hoje!
Muito obrigado!

Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: 


Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: