Uma prática de questionamento para observar o corpo

Posted By Rafael Reinehr on 2 maio 2019 | 0 comments


Esta meditação guiada por 20 minutos, de Jon Kabat-Zinn, explora as sensações envolventes à medida que elas surgem no corpo, a fim de nos ancorarmos no aqui e agora.

Uma vez que você já esteja familiarizado com práticas básicas de conscientização da respiração, outra prática poderosa de meditação sentada envolve expandir o campo da consciência para incluir sensações dentro do corpo. Isso pode incluir a consciência das sensações em várias partes do corpo à medida que elas surgem, talvez dominar por um tempo, e então mudar ao longo de um momento ou ao longo de uma sessão inteira, sensações como desconforto em um joelho ou a parte inferior das costas, uma dor de cabeça se surgir ou, ainda, sentimentos sutis ou vívidos de facilidade, conforto e prazer dentro do corpo.

As sensações podem incluir sensação de pressão e temperatura nos pontos de contato do corpo com o chão, ou formigamento, coceira, pulsações, dor, palpitação, leve toque das correntes de ar, calor ou frescor em qualquer lugar do corpo, as possibilidades são infinitas. Elas também podem incluir graus significativos de desconforto físico ou dor que podem surgir tanto de sentar sem se mover por longos períodos de tempo, ou de uma condição médica específica.

Nenhuma delas tem que ser um impedimento para desenvolver ou aprofundar sua prática de meditação sentada, embora seja sempre importante pender para o lado conservador e não ir além dos limites do momento. Mas, em qualquer grau que seja possível, nós simplesmente sentamos com uma consciência das sensações dentro do corpo, sejam elas quais forem, notando-as como agradáveis, desagradáveis ​​ou neutras, notando seu nível de intensidade, e da melhor forma não podemos reagir emocionalmente a elas ou inflamando-as com a nossa preferência para que seja de outra forma, para que a nossa meditação possa ser “melhor” do que o que estamos experimentando agora.

Em uma palavra, nós simplesmente colocamos o tapete vermelho para quaisquer sensações que estão surgindo neste momento e as abraçamos como elas são.

Em uma palavra, nós simplesmente colocamos o tapete vermelho para quaisquer sensações que estão surgindo neste momento e as abraçamos como elas são onde quer que elas estejam, sob as colorações de nossos gostos e desgostos e nossas expectativas de como as coisas deveriam ser, mas não são, tudo a serviço de cultivar uma maior intimidade com o momento presente, que, como vimos repetidamente de muitas maneiras, inclui e está fundamentado no corpo. Desta forma, estamos cultivando uma intimidade requintada com a paisagem do corpo e as sensações através do qual se fazem conhecidas.

Aqui está uma meditação de 20 minutos para praticar conscientemente investigando onde você sente a respiração no corpo e sintoniza-la com as sensações no corpo.

1-Estabeleça-se em qualquer postura mais apropriada para este momento. Mergulhe no sentido da respiração, movendo para dentro e para fora de seu corpo enquanto você se senta aqui, ou mora aqui. Entre em contato com as sensações associadas ao movimento da respiração, onde quer que estejam mais vivas, seja nas narinas, na barriga ou no peito, em qualquer lugar. Ande nas ondas da sua própria respiração, momento após momento.

2-Experimente a duração total dessa respiração chegando e a duração total dessa respiração deixando o corpo. Aponte a atenção para essas sensações de respiração e sustente a atenção da melhor maneira possível, e a sensação, percepção, conhecimento, qualidade da percepção da respiração, da própria consciência.

3-Se você se importar, se quiser, brinque com a mudança do foco principal de atenção para os pontos de contato. Do corpo com a cadeira, ou com o chão, e simplesmente sentindo, sentindo as sensações associadas àquele contato, onde quer que estejam no corpo.

4-Convide-os para a conscientização. Atenda às qualidades, sejam elas quais forem, se as sensações são agradáveis, desagradáveis ​​ou nem agradáveis ​​nem desagradáveis. Apenas permitindo que eles sejam como são. À medida que você descansa aqui na consciência, uma consciência que ainda pode incluir a respiração, já que a respiração ainda está aqui e ainda está se movendo para dentro e para fora do corpo. Quase como se a respiração e as sensações nessas regiões, sejam elas quais forem, forem coextensivas e se fundem umas nas outras, como aspectos diferentes do mesmo momento e do mesmo corpo. Assim, apenas percebendo que a respiração pode envolver as sensações de contato, de toque, de temperatura e pressão, dureza ou suavidade, sejam quais forem, e banhando esses pontos de contato com a consciência. Convidando-os a simplesmente serem sentidos e conhecidos e mantidos, assim como eles estão em consciência. Fora do pensamento, apenas as próprias sensações, sejam elas leves, moderadas ou intensas, sejam agradáveis, desagradáveis ​​ou neutras, não tendo que fazer nada sobre elas, simplesmente abrindo-se para elas em consciência neste momento e permitindo que elas sejam exatamente como elas são. Como você descansa no momento presente como é, momento a momento.

5-Você pode experimentar no campo da consciência quaisquer sensações particulares em qualquer parte do corpo. Isso pode de fato ser um tanto intenso ou desagradável. Talvez devido à sua postura e ao aumento do tempo, o corpo está parado. Ou a alguma condição do corpo com a qual você pode estar lidando neste momento, as sensações que a mente pode ser tentada a rotular são desconfortáveis, até dolorosas. E em vez de reagir ou recuar ou distrair-se neste momento, como normalmente faria, estamos ficando excessivamente preocupados em querer que eles sejam diferentes ou ir embora e, talvez, ter o impulso de mudar nossa postura para aliviar essa intensidade. O que, claro, sempre podemos fazer se quisermos. E o que às vezes é uma coisa muito apropriada e compassiva, especialmente se estamos lidando com uma condição crônica.

6-Intencionalmente experimente em qualquer grau que pareça apropriado. Com a abertura para eles, e mesmo que pareça estranho ou soe estranho, faça amizade com eles. Mesmo se for apenas um pouquinho, mesmo por um breve momento. Abraçando-os na consciência, no corpo, onde quer que estejam, seja em um ou ambos os joelhos, ou em algum lugar na região lombar. Ou o pescoço ou a cabeça ou os pés. E mais uma vez descansando em consciência. Abraçando e conhecendo essas sensações. Permitindo que elas sejam como são, conhecendo-as como suaves se forem suaves, moderadas se forem moderadas, intensas se forem intensas, agradáveis ​​se forem agradáveis ​​e desagradáveis ​​se forem desagradáveis. E apenas em um grau em que você se sentir bem fazendo isso, talvez apenas começando tocando seu dedo na água em primeiro lugar.

7-Por um breve momento, antes de contemplar a abertura para eles mais plenamente, coloque o tapete de boas vindas para eles. Especialmente sensações que podem ser razoavelmente altas em intensidade, e gradualmente depois de sessões e mais sessões, tornam-se mais íntimas e mais amigáveis ​​em termos de aceitação, com todo o domínio de sensações no corpo além de agradável e desagradável, gostar ou não gostar, perseguir ou rejeitar, pensando e estudando, apenas como um experimento. E compreendendo a si mesmo melhor, escolhendo descansar o melhor que puder em uma consciência aberta e espaçosa do mundo sensorial, como é neste momento. E até mesmo investigar por si mesmo, especialmente se algumas das sensações se aproximarem ou forem francamente dolorosas. A consciência dessas sensações está em dor? Neste momento, a consciência dessas sensações está passando por algum sofrimento? E apenas inquirindo, e vendo, sentindo, percebendo o que surge na consciência como resultado de tal investigação. E olhando para a natureza da sensação intensa quando ela surge no momento.

8-A atenção plena é aplicada de coração aberto e receptivo. Quando você estiver pronto de novo, se quiser, permita ou convide o campo de consciência a se expandir para incluir todo o envelope da pele e o ar ao redor do corpo, em um sentido do corpo como um todo, sentado aqui ou deitado aqui respirando. Para incluir todo esse universo de sensações que chamamos de corpo, percebendo talvez que ainda há a sensação da respiração se movendo para dentro e para fora. Mas agora dentro do contexto mais amplo de todo o corpo, sentado ou deitado e respirando, você está respirando e descansando aqui em uma consciência do corpo como um todo, completo como é, no entanto, a consciência abraçando o corpo, sentindo o corpo, envolvendo o corpo, banhando o corpo, fluindo através do corpo em qualquer lugar e em todo lugar, assim como a respiração flui para qualquer lugar e em todo lugar.

9-Talvez você possa até sentir ou imaginar sua pele respirando, o que é claro acontece. E o sentimento do todo, do corpo sentado e respirando ou deitado, e todas as várias sensações fluindo dentro do corpo, incluindo a sensação de propriedade, a sensação da posição do corpo no espaço e da introspecção. O sentimento geral de como o corpo é como você descansa em uma percepção consciente ampla e receptiva, que por enquanto, neste momento, permite que tudo neste universo do corpo seja exatamente como é. E ser conhecido e mantido, então aceito, exatamente como é conhecido como um todo, como completo, como sua expressão de vida bem aqui, agora mesmo, neste momento, através de sua própria experiência não conceitual somática direta, seja neste momento, quaisquer que sejam seus pensamentos sobre isso, qualquer emoção que surja em torno dele de vez em quando.

10-E descansando aqui neste conhecimento maior, totalmente incorporado da pele até seus ossos e articulações, seus músculos e nervos. Consciência preenchendo o milagre deste corpo exatamente como é, tão belo quanto é, inteiro como é, completo como é, momento a momento. E quando esse período de prática juntos chegar ao fim, veja se você pode formar a intenção de permitir que a consciência incorporada que você tem cultivado viaje com você. Ao passar do domínio de “ser mais” para o domínio do “fazer”, para que você possa estar mais em contato com a carruagem do corpo. Com o corpo como um todo. Com o universo de sensações, dentro de cada momento, à medida que você percorre todas as várias atividades e demandas do seu dia.

Artigo original de Jon Kabat-Zinn , em 30 de agosto de 2018, na Mindful.org. Traduzido por Liz Ghellere para o Consciência Plena. Distribuído livremente em língua portuguesa com caráter informativo e educacional.

❤  Compartilhe sua Paixão por Compaixão

Autocompaixão. Calma. Alegria. Resiliência. Confiança. O mundo precisa de mais disso tudo. E é por isso que produzimos este conteúdo para você, com o objetivo de trazer as melhores práticas, aconselhamentos e insights sobre meditação, mindfulness em busca de uma Consciência Plena do mundo que nos cerca.

Para que possamos seguir em nosso serviço e trazer compaixo e conexão aos corações, casas e comunidades de milhares de nossos leitores, e se voc acha que nosso trabalho tem valor e quer ajudar o mundo a se tornar mais Consciente e Desperto, considere fazer uma doação hoje!
Muito obrigado!

Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: 


Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: